Em seu segundo depoimento a Moro, Lula contestou acusações de Palocci e atacou ex-ministro (Foto: Reprodução)

Em pouco menos de duas horas de depoimento ao juiz Sergio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chamou o ex-ministro Antonio Palocci (PT) de “calculista, frio e simulador”, e negou que tenha feito qualquer tipo de acerto ilícito com a empreiteira Odebrecht. “Se ele [Palocci] fosse um objeto, seria um simulador”, afirmou Lula, que prestou seu segundo depoimento a Moro nesta quarta-feira (13), uma semana depois que seu ex-ministro da Fazenda depôs e lhe fez acusações diretas. Palocci citou, inclusive, um suposto “fundo de reserva” de R$ 300 milhões que teria sido oferecido a Lula depois de deixar a Presidência.

Neste segundo depoimento a Sérgio Moro, Lula não respondeu a todas as perguntas. Ele foi interrogado em ação penal sobre supostas propinas recebidas da Odebrecht. A audiência durou mais de duas horas. O primeiro a questionar o ex-presidente foi o próprio Moro. Em seguida, vieram o Ministério Público Federal e as perguntas da defesa. Após o interrogatório, o juiz passou a ouvir Branislav Kontic, ex-assessor de Palocci, que na semana passada, em depoimento, afirmou que o ex-presidente teria avalizado um “pacto de sangue” com a Odebrecht, com o pagamento de R$ 300 milhões em vantagens indevidas em troca de manter o protagonismo da empreiteira no governo. O terreno ao instituto estaria incluído nesse valor.

Nesta ação, Lula é acusado de se beneficiar de vantagens indevidas pagas pela empreiteira Odebrecht – incluindo a compra de um terreno que seria destinado ao Instituto Lula, e cuja negociação teria sido intermediada por Palocci. Segundo o MPF, os repasses ilícitos da construtora chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a estatal. O montante, segundo a força-tarefa da Lava Jato, inclui o terreno do Instituto Lula, no valor de R$ 12,5 milhões, além da cobertura vizinha à residência de Lula em São Bernardo do Campo, de R$ 504 mil.

Novamente respondendo a Palocci, Lula disse que o ex-ministro nem sequer era responsável por assuntos do Instituto Lula – o que caberia ao seu presidente Paulo Okamotto – e afirmou que só se encontrava com Palocci, depois de sua saída do governo, “de oito em oito meses”.

Durante a audiência, o Ministério Público Federal ainda apresentou uma pauta de reunião de Emílio Odebrecht, patriarca da empreiteira, com Lula, que foi entregue à investigação. A reunião teria ocorrido no dia 30 de dezembro de 2010, nos estertores do governo Lula, no Palácio do Planalto. No documento, o primeiro item da pauta é a “‘Passagem’ do histórico de parceria” – o que seria uma referência à troca de governo, de Lula para Dilma, e ao acerto ilícito feito com o intermédio de Palocci.

Na mesma agenda, ainda são listados, debaixo do título “Com ele”, os itens: “Estádio Corinthians, Obras Sítio, 1ª Palestra Angola e Instituto”. O petista disse que o documento é falso e “uma mentira”. Lula ainda fez críticas à atuação da Polícia Federal e do Ministério Público e disse ver com “desconfiança” determinadas operações.

Moro também ouviu o ex-assessor de Antonio Palocci, Branislav Kontic, na audiência desta quarta (13). Também respondem ao processo o próprio ex-ministro, o advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula – que será interrogado na quarta-feira, 20 – o empreiteiro Marcelo Odebrecht e outros três investigados. Lula já foi condenado na Lava Jato. Em julho, Sérgio Moro aplicou uma pena de 9 anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro ao petista no caso tríplex. Há ainda, sob a tutela da Lava Jato no Paraná uma terceira ação penal. O ex-presidente é acusado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em obras do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo. Este processo poderá colocar Lula e Moro frente a frente pela terceira vez na Lava Jato.

Em resposta a Lula, o advogado de Palocci, Adriano Bretas, afirmou que “dissimulado é ele [Lula], que nega tudo o que lhe contraria e teve a pachorra de dizer que se encontrava raramente com o Palocci”, disse, em nota. “Enquanto o Palocci mantinha o silêncio, ele era inteligente e virtuoso; depois que resolveu falar a verdade, passou a ser tido como calculista e dissimulado”, prosseguiu o defensor.”Essa é a lógica de Lula: os que o acusam mentem, os documentos são falsos, e só ele diz a verdade.”

Manifestações

O ex-presidente deixou a sede da Justiça Federal em Curitiba pouco antes das 16h30, de carro, sem falar com a imprensa. Na saída, cinco moradores vestiam camisas verde e amarelas e erguiam bandeiras do Brasil, cantavam: “Lula ladrão, seu lugar é na prisão”. Logo depois de sua saída, a Polícia Militar desmontou as grades que formavam o perímetro de segurança em torno da sede da Justiça. Os carros e pedestres voltaram a circular normalmente. O petista segue agora para um hotel, onde tomará um banho, e depois participa de ato em seu favor, na praça Generoso Marques, no centro da cidade, com militantes petistas.

Manifestantes a favor da Lava Jato que se concentraram no museu Oscar Niemeyer, a cerca de dois quilômetros da sede da Justiça, também levaram um boneco gigante de Sergio Moro, desenhado como o Super-Homem. Segundo a organização do ato, o “Super-Moro” tem nove metros de altura. O protesto foi promovido pelo “Curitiba Contra Corrupção” e o “Acampamento Lava Jato”, movimentos regionais.

De acordo com os organizadores, o ato foi financiado com venda de camisetas e uma “vaquinha”. No alto-falante, frases de apoio à Lava Jato e “contra todos os corruptos”. Nos cartazes, pedidos de intervenção militar. Completavam a cena bandeiras do Brasil e uma enorme faixa estendida no gramado com os dizeres “Lula na cadeia”.

*Com agências