Danilo Cabral (Foto: Ag. Câmara)

Cabral e ministro de Minas e Energia pertencem ao PSB (Foto: Ag. Câmara)

Após a decisão do governo federal de privatizar a Eletrobras e suas subsidiárias, como a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), o deputado federal Danilo Cabral (PSB) está coletando assinaturas para a criação de uma Frente Parlamentar em defesa da Chesf. Segundo o socialista, é preciso discutir a venda do sistema amplamente com a sociedade, e não apressadamente, visto que o seu correligionário ministro das Minas e Energia, Fernando Filho (PE), pretende concluir o processo de privatização até primeiro semestre de 2018. São necessárias 187 assinaturas de parlamentares.

“A condução da política energética do País deve ser do poder público e não da iniciativa privada. É uma questão de soberania nacional. A Chesf tem 70 anos de história. É um patrimônio dos nordestinos e um instrumento fundamental para o desenvolvimento regional”, afirmou Cabral. Contudo, já existe no Congresso Nacional a Frente Parlamentar em Defesa do Sistema Elétrico Brasileiro, coordenada pela deputada federal Érika Kokay (PT-DF).

O anúncio do ministro do PSB gerou críticas de correligionários e conterrâneos, e ampliou o mal-estar interno no partido.

A Chesf é uma concessionária de serviço público de energia elétrica de capital aberto e economia mista. Foi criada em 1945 e seu parque detém 13 usinas hidrelétricas, a maior parte dela ao longo do Rio São Francisco, e uma termelétrica. A companhia integra o sistema Eletrobras, criado há 55 anos, que controla 13 subsidiárias, 178 empresas e 233 usinas.