Painel do Senado sem o nome de Aécio Neves (Foto: G1/Reprodução)

Painel de votação do Senado sem o nome de Aécio Neves (Foto: G1/Reprodução)

* Atualizada às 17h52

Quase um mês depois de ser afastado por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Aécio Neves (PSDB-MG) teve o nome retirado do painel de votações do plenário Senado Federal, que também comunicou ao Supremo que suspendeu parte do salário, a verba indenizatória e o carro oficial do tucano. O nome do parlamentar não apareceu na lista de senadores, na sessão desta quarta-feira (14), e também foi retirado da lista de senadores em exercício. Segundo a assessoria da Casa, o nome foi retirado na noite passada.

Após informar que o salário do senador afastado foi cortado, o Senado retificou a informação: Neves continuará recebendo a parte fixa do salário parlamentar de R$ 33.763, que equivale a um terço do total, e serão descontadas as faltas nas sessões deliberativas do plenário – este número pode variar de acordo com a quantidade de reuniões realizadas mensalmente.

O Senado ignorou decisão do ministro do STF, Edson Fachin, de afastar Neves do mandato em 18 de maio. O senador é alvo de inquérito e denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) em razão da delação da JBS. O procurador-geral Rodrigo Janot já pediu mais de uma vez a prisão do tucano.

O nome de Neves permanecia no painel de votação e na lista de senadores em exercício do site do Senado. Seu gabinete tem funcionado normalmente. Se o tucano comparecesse a uma sessão estaria apto a votar, de acordo com técnicos consultados. Contudo, a defesa do senador protocolou, na terça-feira (13), documento no STF para informar que o tucano está afastado das funções parlamentares.

As informações a respeito do salário e benesses parlamentar foram enviadas, nesta quarta-feira, por ofício pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), ao ministro Marco Aurélio Mello, relator do recurso de afastamento de Neves no Supremo.